Projecto Golfinho/Atum

Para o desenvolvimento deste projecto, será necessário uma fábrica de liquefação do gás natural a ser construída em terra bem como outras infraestruturas associadas ao projecto

Todo este processo de construção durará 5 anos. E é nesta fase onde será necessária grande parte da força de trabalho do Projecto, traduzindo-se em 17.000 postos de trabalho no total, dos quais 5000 postos reservados para nacionais. Até ao momento 85% da força de trabalho nacional já esta a trabalhar no projecto, representando 4200 postos de trabalho já preenchidos. Inicialmente, a maior parte da força de trabalho estava em posições de baixa qualificação. Contudo, regista-se um incremento gradual de mão-de-obra nacional qualificada, estando actualmente em 35%.

Percentagem de mão-de-obra nacional por categorias profissionais

As categorias ou níveis profissionais representam o nível de qualificação da mão-de-obra, traduzindo-se no seguinte: Nível de Gestão 1%; Nível Professional 7%; Nível de Supervisão 7%; Nível Qualificado 32%; Nível Semi-qualificado 25%; e Nível Não qualificado 28%.

Importa referir que as categorias profissionais mais altas, ou seja supervisão, profissional e gestão, são os que exigem maior nível de qualificação, e onde é possível a sucessão de estrangeiros por nacionais, bem como a transferência de conhecimento. 

Localização da Força de trabalho no país

O projecto da Área 1 comprometeu-se desde o início priorizar a força de trabalho da zona afectada pelo projecto e só depois o resto do país. Conforme ilustra o mapa abaixo, 36% da força de trabalho total do projecto encontra-se na zona onde o mesmo está implantado, representando um impacto directo para a comunidade anfitriã. A província de Cabo Delgado e o resto das províncias do país compreendem 53% e 11% da força de trabalho, respectivamente.

jjjj